Nessa edição do “Profissionais que inspiram” escolhemos e falamos com ela, que é muito renomada no mundo da Comunicação e de RP (Relações Públicas): Viviane Mansi.

Viviane Mansi ou “Vivi” como muitos chamam é Head Global de Comunicação Corporativa e Marca Institucional na gigante Votorantim Cimentos, mas, até chegar aí ela passou por muitas experiências e até outros segmentos. Quer saber mais? Reserve 5 minutinhos e leia um pouco sobre a história dela que é de fato INSPIRADORA.

QUANDO VOCÊ DESCOBRIU QUE ESTAVA NA PROFISSÃO CERTA, COMO ISSO ACONTECEU?

Eu decidi que Relações Públicas tinha a ver comigo bem em cima da hora, na verdade. Foi graças à revista de profissões da Unesp, que era uma referência para os estudantes quando eu terminava o 2º grau. Embora naquela época eu tivesse uma atração pela área, ninguém na minha família trabalhava com isso e eu sequer conhecia alguém dessa profissão. Mas tive sorte, comecei a estagiar cedo, tive oportunidades incríveis nessa primeira empresa em que eu trabalhei (e onde fiquei 14 anos, rsrs) e sou curiosa. Eu sempre fui aberta para aprender, sempre escutei com atenção. Hoje sou mais crítica sobre algumas coisas da área, mas continuo curtindo muito. Se eu tivesse que escolher novamente, faria a mesma coisa!

VOCÊ TRABALHAVA EM UMA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA E FEZ UMA TROCA RADICAL DE SEGMENTO QUANDO OPTOU POR IR PARA A VOTORANTIM, O QUE PODE NOS CONTAR DESSA EXPERIÊNCIA?

Na verdade, entre as farmacêuticas e a indústria de materiais de construções eu passei pela GE e trabalhei nos vários negócios dessa empresa (óleo e gás, equipamentos médicos, energia e aviação, etc.) porque eu estava numa área corporativa. Eu adoro a indústria farmacêutica e foi um período incrível, de muito aprendizado, mas eu gosto mais ainda de ambientes complexos, independentemente de onde eles estejam. Quanto mais complexo, maior é a necessidade e o desafio de comunicação, daí o meu interesse. Eu demorei um pouco para me acostumar com a Votorantim Cimentos, pois era muito diferente de tudo que eu tinha vivido, mas estou vivendo um caso de amor agora. Foi um ano incrível, de dar passos largos. Em nenhum outro momento da minha carreira eu senti que evoluí tanto.

QUAIS SÃO OS PRINCIPAIS DESAFIOS DE GERENCIAR UMA EMPRESA GLOBAL COMO A VOTORANTIM CIMENTOS?

A empresa é grande, complexa, e as necessidades das pessoas são bem localizadas. Ou seja, um desafio é pensar “global” e ter flexibilidade para ajustar isso ao nosso universo variado de países e regiões no Brasil.  O lado bom é que o time de Comunicação aqui é sensacional, temos boas parcerias com as áreas e com a liderança das outras áreas, e a empresa tem como uma de suas crenças o diálogo aberto. Isso muda tudo quando a gente coloca em prática. Nesse momento a gente está apostando numa boa transformação cultural em cima de questões que nos permitirão atuar melhor e entregar mais valor do cliente. É um desafio delicioso de abraçar.

NA SUA OPINIÃO QUAIS SÃO AS TENDÊNCIAS DA ÁREA DE COMUNICAÇÃO INTERNA PARA OS PRÓXIMOS ANOS?

Eu vejo algumas rupturas pela frente. São alguns “chamamentos” que precisaremos atender para continuarmos sendo uma função relevante para as organizações:

  • Capacidade de entender e criar narrativas em torno de questões que importem não apenas para a empresa, mas também para a sociedade.
  • Entender mais de negócio e tecnologia. A forma de trabalhar, o mercado e as necessidades dos consumidores (e dos próprios comunicadores, se pensarmos em como a imprensa está organizada) estão mudando fortemente. Entender esse contexto nos ajuda a oferecer uma solução de comunicação mais acertada. Em outras palavras, precisamos ampliar nosso repertório de negócio e quebrar paradigmas sobre a forma como entregamos produtos e serviços de comunicação.
  • Deixar de ser “hub de comunicação” (produtor de conteúdo massificado) para atuar como mediador de uma “rede de comunicação”. Em breve o nosso trabalho de produção de conteúdo mais simples vai ser substituído por robôs. Não vejo um problema em si – vejo apenas uma necessidade de parar agora e repensar nosso papel para desenvolver a competência necessária para fazer a diferença onde a gente acredita que é possível ou necessário.

ACOMPANHAMOS PELAS REDES SOCIAIS QUE VOCÊ TEM UMA ROTINA “AGITADA”, COMO VOCÊ ADMINISTRA ISSO?

Planejo algumas coisas e não sofro tanto com as coisas que fogem do planejado. Não faço corpo mole e realmente estou com os dois pés dentro de tudo que eu faço. Quando foge do planejado é porque realmente não deu. Tem gente que me diz, “nossa, quanta coisa você faz” e eu sempre sofro com esse comentário, pois sempre me passa pela cabeça as dezenas de coisas que eu queria abraçar e não tenho tempo. Sobre as redes em si, eu gosto de escrever e gosto de fotografar… logo, esses espaços me atraem, mas continuam sendo só uma parte da vida. Coisas mais pessoais eu só posto no Instagram (e, portanto, meu perfil é fechado). Coisas de trabalho acabam concentradas no Linkedin. No Facebook eu mais interajo do que posto.

Perguntamos quais as 5 principais manias da Vivi, e ela nos contou tudo! Veja:

 

Já conversamos também o Márcio Fernandes, ex-CEO da Elektro. Veja aqui a matéria.

Conteúdo Relacionado