Inclusão na comunicação interna

Como desenvolver uma Comunicação Interna + inclusiva

 

Do que adiantar enviar uma mensagem se o conteúdo não chegar ou não for compreendido pelo destinatário? Quando o assunto é comunicação interna e inclusão, vários fatores devem ser levados em consideração. Você já parou para pensar se o público PcD é alcançado pelos canais e ações de CI da sua empresa?

Cerca de 24% da população relatou possuir algum grau de dificuldade (cognitiva, visual, auditiva ou motora), segundo o Censo 2010, realizado pelo IBGE. São 46 milhões de brasileiros com deficiência. Entretanto, apenas 1% está inserido no mercado de trabalho, o correspondente a pouco mais de 400 mil pessoas, mesmo com a Lei 8213/91, popularmente conhecida como Lei de Cotas para Pessoas com Deficiência, exista há 30 anos e assegure a obrigatoriedade de contratação de PcD’s para organizações com no mínimo 100 funcionários.

Apesar dos números serem abruptamente pequenos, ainda é necessário levar em consideração que muitas instituições o fazem somente para o cumprimento da lei.

Mas o desafio não acaba por aí, para a pessoa com deficiência que consegue ser parte desse 1%, outro obstáculo aparece: lidar com empresas que não desenvolveram uma cultura organizacional inclusiva.

inclusão

Mas como utilizar a CI para promover inclusão dentro das organizações?

 

inclusão

  1. Passo: Empatia. Calçar os sapatos do outro é uma experiência fundamental para saber como proporcionar um ambiente organizacional mais acolhedor. Fazendo esse exercício, podemos ter uma amostra de como é difícil estar no lugar daqueles ao nosso redor e, a partir disso, promover uma comunicação adequada.

 

inclusão

  1. Passo: Conscientização. Pense em ações que o time de CI possa fazer afim de conscientizar e instruir os demais colaboradores a se relacionar e comunicar com os colegas PcD de maneira inclusiva. Desconstrua o preconceito, promova campanhas e divulgue através das redes sociais internas. Aqui na B2 por exemplo, utilizamos ferramentas como a TV e o App Corporativo.

Veículos de áudio e vídeo são os mais democráticos na hora de passar mensagens aos colaboradores. A TV Corporativa segue sendo a melhor opção para plantas operacionais. Ela permite utilizar animações sem palavras e ainda áudios, possibilitando a compreensão da mensagem até mesmo por analfabetos”, explica Ana Carolina Caminha, especialista em Comunicação Interna.

 

inclusão

  1. Passo: Comunique. É de suma importância que o conteúdo desenvolvido pelo time de CI também alcance os funcionários com deficiência. Ao produzir um conteúdo, é essencial se perguntar:

 

O que vou dizer? Os colaboradores com diferentes tipos de deficiência conseguirão receber minha mensagem? Ao recebê-la, conseguirão decodificá-la? Existe algum ruído em meu processo de comunicação?

 

Perguntamos para a Ana, quais as principais dificuldades que ela enfrentou quando teve que implantar estratégias de inclusão na comunicação interna de uma grande companhia que trabalhou e um ponto ressaltado foi a mudança de mentalidade do setor: “Passei a privilegiar veículos mais inclusivos. Por exemplo, eu atualizava a TV Corporativa uma vez por semana. Depois de passar a olhar para inclusão, ela começou a ser atualizada sempre que havia uma notícia nova. Outro desafio foi mudar a cultura de consumo de informações das pessoas. A TV no refeitório era muitas vezes ignorada pois as pessoas preferiam conversar. Após uma campanha, dando voz e destaque para que os próprios colaboradores aparecessem nas telas, ela ganhou espaço na rotina dos mesmos”.

 

 

A B2 preparou algumas sugestões para você deixar sua empresa com uma comunicação mais inclusiva:

  • Para alcançar o público com deficiência auditiva: Mantenha o contato visual, conte sempre com um intérprete de LIBRAS. No Worksphere, nossa plataforma de comunicação interna, contamos com essa funcionalidade. Que tal experimentar?
  • Para alcançar o público com deficiência visual: Fale em volume normal e na forma direta. Para os canais, procure desenvolver conteúdos em áudio como podcasts, é uma forma dinâmica e arrojada de traduzir a informação escrita.
  • Para alcançar o público com deficiência cognitiva: Use frases na ordem direta (sujeito-verbo-objeto), seja claro e objetivo. Imagens e vídeos são uma ótima opção, pois auxiliam na compreensão da mensagem, para transmiti-los conte com ferramentas como o Mural Digital.
  • Para alcançar o público com deficiência motora: Se perceber que há dificuldade para alguma tarefa, ofereça ajuda, mas sempre pergunte como. Ao realizar eventos e ações de CI, nunca se esqueça de oferecer ACESSIBILIDADE.

“Quando a empresa se comunica com todos os colaboradores com efetividade, a cultura da companhia se espalha e tem uma manutenção, mais feedbacks são recebidos, a confiança do colaborador com a marca aumenta, e, consequentemente, o clima na equipe e a motivação no trabalho”, comenta a profissional.

 

Acredite, o time de CI tem muito a contribuir nessa missão rumo à inclusão. Então, vamos começar? A fórmula é: Empatia + Comunicação = Inclusão.